sábado, 11 de setembro de 2010

PROPRIEDADES DO ALHO

Noutro dia postei sobre o  saudavel abacate, após conversa com o amigo  Dr. Credidio. Hoje recebi do ilustre médico e nutrólogo, uma matéria sobre o alho, que publico na íntegra. No final, ensino uma receitinha pr'a lá de saudável.


Embora haja controvérsias, estudos indicam a Ásia como local de origem do alho. Usado em larga escala na culinária do mundo todo, é também conhecido pelas suas propriedades terapêuticas, como por exemplo, redução de níveis de colesterol e da pressão sangüínea. O alho (Allium sativum) é formado por um bulbo arredondado (conhecido como cabeça), composto de 10 a 12 dentes, envoltos por uma casca fina, que pode ser branca, rosada ou roxa. Seu forte aroma deve-se à presença da alicina (óleo volátil sulfuroso).O alho tem sido utilizado há milênios como anti-inflamatório, vermífugo, anti-séptico, diurético, hipotensor e antitérmico. Também chamado de "penicilina russa", por ter sido utilizado como único anti-infeccioso, durante períodos de guerra no início do século.
A alicina e a garlicina lhe conferem propriedades anti-bacterianas, seus compostos sulfurados são normalmente eliminados pela respiração e transpiração, tendo ação positiva sobre infecções crônicas e agudas de pele. O alho tem se demonstrado como uma das melhores fontes de germânio, micromineral nobre disponível raramente nos alimentos, que tem sido altamente valorizado, como agente rejuvenescedor, anticancerígeno e estimulante da imunidade. A ação de vários ácidos graxos e demais compostos do alho tem apresentado função anticolestérica, controle da pressão arterial e melhora da circulação, o que tem sido associado a sua fama como afrodisíaco. Indicações: contra hipertensão, picadas de inseto, diurético, expectorante, antigripal, febrífugo, desinfetante, antinflamatório, antibiótico, antisséptico, vermífugo (lombriga, solitária e ameba), para arterioesclerose e contra ácido úrico. Conhecido também como Alho-manso ou alho-hortense. Origem Ásia Ocidental, solos de preferência arenosos e ricos em matérias organicas e não muito úmidos, A temperatura ideal seria de 13º a 25º , e recolhidas quando surgirem folhas amareladas e secas.O alho apesar de possuir elevadas dicas terapêuticas, devem tomar preucações nas doses, pois em doses elevadas poderão causar cefaléia, gastralgia, vômito, diarréia e cólica intestinal. Contra indicações para gestantes podendo provocar distúrbios e cólicas intestinais no bebê. Contra-indicação também para hipotensos.Essas contra-indicações estão relacionados a doses elevadas de alho, como tempero,crua, e outras formas de serem ingeridas. Tomar em doses maiores não irá acelerar os tratamentos terapêuticos. O alho faz bem, mas não faz milagres.Suas propriedades terapêutica como anti-inflamatória, diurética, anti-séptico, vermífuga, anti-térmico, ideal contra tuberculose, hipertensão arterial, diabetes, difteria.Um só dente (bulbilho) contribui com 31 mg de proteínas - da melhor qualidade, é bom lembrar. Também é bom ter em mente que a melhor política está na moderação. E não só pelo cheiro: o alho tem componentes muito fortes e irritantes para a mucosa do intestino. O ideal é consumi-lo com parcimônia.O alho é um vegetal com grande número de componentes. Só os derivados do enxôfre (substâncias sulfuradas) somam acima de 33. A mais importante delas é sem dúvida a alicina, responsável pela maioria das propriedades farmacológicas da planta. Trata-se de um líquido amarelo, com odor acentuado, que se forma quando os dentes são macerados ou mastigados. Isso mesmo, a alicina está apenas potencialmente presente no alho in natura. E surge da mistura de duas outras substâncias (aliinase e aliina), por um processo conhecido como fragmentação enzimática. Experiências com a alicina revelam suas notáveis propriedades: é ativa contra bactérias gram-negativas (causadoras de infecções urinárias e diarréicas, mais resistentes aos antibióticos) e gram-positivas (agentes responsáveis por amidalites e furunculoses, entre outras enfermidades). Também, atua no combate a vários fungos, inclusive o Candida albicans (causador da candidíase ou sapinho). A alicina combate ainda com sucesso, infecções virais. Segundo estudos, camundongos infectados com o vírus da gripe (influenza) melhoraram quando tratados com extrato de alho puro. Pesquisas têm demonstrado um certo poder do alho na prevenção de tumores malignos. As experiências científicas, em certos casos, confirmam a sabedoria popular. Veja o resultado de um estudo populacional realizado na China, em duas cidades próximas, na província de Shandong. Em uma delas a incidência de câncer era dez vezes inferior à outra - 40 casos por 100 mil habitantes. Explicação: na primeira localidade a população ingeria alho rotineiramente, enquanto na outra o consumo era mínimo. As virtudes do bulbo milagroso para o coração e sistema circulatório também vêm tendo confirmação científica. Experiências em cobaias medicadas com suco de alho tiveram redução significativa nos níveis de colesterol sanguíneo. O alho provoca perda de sais biliares pelas fezes. Esses sais armazenados na vesícula, são responsáveis pela produção do colesterol no fígado. Na falta de sais biliares, o fígado recorre ao estoque de colesterol do corpo para produzir sais. E queima, assim, as reservas do terrível inimigo das artérias e do coração. O efeito hipocolesterolêmico do alho foi, mais uma vez, atribuído a seus compostos sulfúricos (alicina, polissulfureto de alilo e família). As virtudes do alho incluem dois minerais, cuja atuação é estudada cada vez com maior interesse pelos cientistas: o selênio e o germânio. Precisamos desses elementos em pequenas quantidades, mas eles fazem verdadeiros milagres para a manutenção da saúde. O selênio desempenha no organismo função semelhante à da vitamina E: atua como antioxidante, ou seja, liga-se aos radicais livres de oxigênio que perambulam pelo corpo e transforma-os em substâncias inofensivas. Sem esses "raptores" de radicais livres, ocorre a oxidação dos tecidos orgânicos - como se "enferrujassem". O selênio, portanto, retarda a "ferrugem" ou endurecimento dos tecidos. Já o germânio trabalha de outra maneira, ainda que também ligada ao oxigênio. Análises estatísticas revelam que, a longo prazo, a capacidade de o organismo obter e levar quantidades adequadas de oxigênio às células, tecidos e órgãos, determina sua expectativa de vida. O câncer é um excelente exemplo disso, alguns estudos indicam que as células cancerosas perdem a capacidade de utilizar o oxigênio. Ainda que o mecanismo por meio do qual o germânio atua não esteja precisamente definido, parece certo que funciona como energizante celular e condutor de oxigênio para os tecidos. Como o selênio, é um antídoto contra os radicais livres. O germânio age ainda como regularizador do sistema imunológico, ao estimular a produção do interferon. Essa substância é produzida naturalmente pelo organismo, para combater agressões (infecções, tumores malignos). Se você acha que o Allium sativum é uma legítima panacéia universal, saiba que várias virtudes apregoadas pela medicina popular não têm comprovação científica. Uma delas é a capacidade de combater a anemia. Estudos assinalam que o alho em altas doses provoca diminuição das células vermelhas do sangue. E não o contrário, como querem os alhomaníacos. Portadores de acne e moléstias de pele em geral também não combinam com o "cheiroso" bulbo. E a razão é simples: a alicina sai pelos poros, com o suor, e irrita uma epiderme que já apresenta problemas. Nesses casos é melhor utilizá-lo apenas como tempero. Finalmente, mulheres em fase de aleitamento também precisam se cuidar; o leite absorve os princípios ativos do alho e pode provocar cólicas no bebê.Se você gosta de alho mas decididamente não tem afinidade com seu cheiro, alegre-se porque a coisa não é tão irremediável quanto parece. A melhor alternativa é pingar nos dentes crus algumas gotas de limão. Assim, equilibra-se a acidez e desaparece o odor. Ferver o alho, corta o cheiro, mas rouba nutrientes importantes. Para quem procura os efeitos terapêuticos, dispensando o sabor, as cápsulas de extrato seco ou óleo de alho, representam boa alternativa. Elas conservam as virtudes do produto e o dissolvem no intestino, eliminando o odor do hálito - mas não o da transpiração. Um alerta: nada de exagero com as cápsulas. Os próprios fabricantes recomendam apenas uma ao dia, principalmente se você já usa uns dentinhos como tempero. E, por falar nisso, se o seu problema é descascar o " cheiroso", não apele para os produtos industrializados. Eles têm excesso de sal. O melhor mesmo é usar o alho ao natural, empregando aqueles espremedores próprios, que custam barato, garantem o sabor e propriedades integrais e evitam contato manual. De qualquer forma. se suas mãos cheiram alho, esfregue-as com o bagaço de um limão.
____________________________________________________________________

FONTE:CREDIDIO,E.V.-Alimentos Funcionais na Nutrologia Médica-Editora Ottoni,SP-3ºEdição-2007

Prof.Dr.Edson Credidio – Médico Nutrólogo, Doutor em Ciências de Alimentos pela Unicamp, Pós-Doutorando em Alimentos Funcionais e Bioativos pela Unicamp, Presidente da Sociedade Brasileira de Nutroterapia Funcional e Dietética – sbNFD, Perito Judicial em Análise de Alimentos, Título de Especialista em “Gestão da Qualidade e Segurança dos Alimentos”- Unicamp, Coordenador do Sistema NutroSoft, Membro Titular da International Colleges for the Advancement of Nutrition–USA, Membro Titular do American College of Nutrition – USA ,Membro Titular do –Center for Excellence in Surgical Outcomes Duke University –USA, Especialização em Cirurgia Vascular e Torácica – AMB, Membro Titular da Academia Latino – Americana de Nutrologia, Autor com dezesseis livros publicados.
_____________________________________________________________________



ALHO ASSADO AO MOLHO MOSTARDA

Ingredientes:

4 cabeças de alho grandes
Quanto baste de mostarda
Quanto baste de mel
Azeite de oliva
Papel alumínio

Modo de Preparo:

Limpe as cabeças de alho, tomando o cuidado de mantê-las inteiras. Goteje o azeite bem no meio de cada cabeça de alho. Envolva cada alho em papel alumínio, vedando muito bem. Leve ao forno alto por uma hora. Enquanto isso, misture bem a mostarda com o mel. Depois é só retirar forno, desembrulhar e servir com o molho. Sirva acompanhado de queijo Brie e pão francês.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo cometário. Em breve será publico.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...